Páginas

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Cravos, baionetas e uma bandeira rasgada



Quem mora no meu bairro tem a visão privilegiada da Torre Vasco da Gama e da bandeira de Portugal que está sempre lá hasteada, como pode-se ver nas fotos deste post antigo que fiz (A Foggy Day In Lisbon Town). Por causa do rigor do tempo, o pavilhão português precisa ser trocado com certa frequência pois o tecido acaba rasgando mesmo.

Chamou a minha atenção que ontem lá pelas 8h00 da matina, véspera de comemorar a chamada Revolução dos Cravos – o 25 de Abril -, a bandeira tenha ficado com o brasão descosturado ou rasgado, como mostra a foto acima. Achei a visão daquilo bem significativa pela situação politico-econômica atual pela qual o país de Camões passa.

O Dia da Liberdade (25 de Abril) segundo este site (que explica tudo direitinho)  também tornou-se conhecido como a Revolução dos cravos porque “O cravo vermelho tornou-se o símbolo da Revolução de Abril de 1974; Com o amanhecer as pessoas começaram a juntar-se nas ruas, solidários com os soldados revoltosos; alguém (existem várias versões, sobre quem terá sido, mas uma delas é que uma florista contratada para levar cravos para a abertura de um hotel, foi vista por um soldado que pôs um cravo na espingarda, e em seguida todos o fizeram), começou a distribuir cravos vermelhos para os soldados, que depressa os colocaram nos canos das espingardas.”

O plano de austeridade ditado pelo atual governo português tem sido alvo de contestações de praticamente toda a sociedade. O rigor é imposto pelo compromisso que há em saldar uma dívida monumental com a chamada Troika (FMI, Banco Central Europeu e Comissão Européia), que espero não piorar e o país ser palco de uma tragédia grega.

O tempo também andou nublado hoje com a notícia da ausência dos oficiais da Associação 25 de Abril em solenidade realizada na Assembléia da República. Diz no site do jornal Expresso: “...A Associação 25 de Abril anunciou esta manhã que não participará este ano, pela primeira vez, nas celebrações oficiais da Revolução dos Cravos por considerar que ‘a linha política seguida pelo atual poder político deixou de refletir o regime democrático herdeiro do 25 de abril’...”



O que eu sei é que lá pelas 10h da manhã já alguém havia trocado a bandeira do mastro da Torre Vasco da Gama que fotografei à tarde com um céu um pouco menos carregado de nuvens, que esperamos todos se reflita na cena política desse país que tem perdido a cada dia, a geração mais capacitada em termos acadêmicos. Muitos têm emigrado (pois até um ministro sugeriu isto! “Pode isto Arnaldo???”) porque não há postos de trabalho que absorva uma mão de obra tão qualificada. Perdemos todos nós!

2 comentários:

  1. Taí meu namorado, o pai dele e todos nossos amigos tuga em Angola pra comprovar seu último parágrafo.

    ResponderExcluir
  2. Lu minha querida. excelente essa sua reflexão! e a coisa anda feia né? por aqui tb os tempos estão bravos, ainda mais depois do grande terremoto, a gente sente tudo mais pobrinho...

    essas fotos que vc fez ficaram perfeitas. uma tem todo o ar triste e soturno, a bandeira rasgada. a outra tem a bandeira nova, o céu azul, passa uma mensagem de otimismo, de tentar levantar a cabeça.

    desejo mta prosperidade, sorte, saúde a vc e aos seus, a todos que vivem ai em Portugal.

    um grande abraço! e felicidades!

    ResponderExcluir

Deixe-me saber um pouco do que você achou deste post. Seus comentários e sugestões são sempre entendidos como uma generosa doação do seu tempo. Obrigada!